De olho na tendência: Refashion

Na contra-mão do fast fashion – a moda cada vez mais veloz, barata e (vamos ser honestas) de qualidade duvidosa das mega lojas de departamento – uma nova tendência começa a dar as caras: o refashion. Em outras palavras: trazer de volta à “vida” peças já “datadas”, desgastadas ou que não nos servem mais.

Refashion não é customização. Customizar tem relação com personalizar a peça, deixá-la com a sua cara. Mas as peças customizadas não necessariamente estão fora de uso. Pelo contrário, há quem compre peças novas com o único objetivo de customizá-la. Refashion tem relação com colocar uma peça “encostada” de volta ao uso, mesmo que de uma forma completamente diferente.

Refashion não é reciclagem (embora pareça). Reciclar seria devolver a peça à fábrica, que a transformaria em matéria prima para outras peças, como fazemos com vidro, alumínio, papel. No refashion, a própria peça fora de uso é a matéria prima de um novo produto.

Refashion não é sinônimo de roupa feia ou mal-acabada. Definitivamente, não! Não é cortar uma camiseta (quem nunca) e sair por aí. Beleza, design, bom acabamento são fundamentais, sempre.

Quem vai usar? As peças com essa pegada enchem os olhos de quem curte o estilo mais criativo – mas pode flertar igualmente com os estilos casual, romântico, dramático. Quem segue uma linha mais tradicional – ou trabalha em carreiras mais tradicionais pode ficar meio “deslocado” com as peças

Essas e outras imagens estão no meu painel no Pinterest – passa lá para acompanhar!