Com que cor eu vou? Uma aula sobre como usar as cores a nosso favor

 

Já aconteceu de você estar se sentindo perfeitamente bem e alguém perguntar se você estava doente? Comigo, já. Eu estava autoconfiante com um batom novo, recém-comprado, quando um colega de trabalho me interrompeu no corredor: “Você está se sentindo bem? Sei lá, parece tão pálida…”.

O batom novo, nude, não ornou com o tom da minha pele. E isso pode acontecer com qualquer uma de nós, quando usamos uma maquiagem, acessório, roupa que não valoriza as nossas cores pessoais!

EdwardCullen_divulgação

“Pálido, eu?”

A cor é o elemento mais importante do nosso visual. Sozinha, ela transmite inúmeras mensagens sobre quem somos, nosso estilo e o que fazemos. Mas ela não pode “roubar a cena”! Pelo contrário, deve criar uma harmonia com o nosso tom de pele, olhos e cabelos, valorizando-os. Se a cor “apaga” o que temos de bonito (como no caso do meu batom) ou se “chega primeiro do que você” (pense naquela conhecida que usa batom pink, e a impressão que dá é a de que a boca “chega na frente”), tá errado. Tem que ver isso aí.

Foi pensando nisso que nasceu a oficina “Com que cor eu vou?”, um espaço para ensinar as mulheres a ficarem lindas do jeito mais simples: usando as cores a seu favor. As participantes vão identificar a sua coloração pessoal – que inclui cor de pele, olhos e cabelos; identificar as cores que mais as valorizam e aprender a combiná-las para dar ao look o efeito que quiser. Pra encerrar, uma aula de automaquiagem, pra colocarmos em prática, de imediato, tudo o que aprendemos. Tudo isso em quatro horas de atividade prática, em um clima descontraído, entre amigas, com comidinhas e presentinhos: você sai de lá com sua cartela de cores personalizada e material para por suas novas ideias em prática!

Gostou? Para se inscrever, é só clicar. As vagas são limitadas e a primeira turma ganha um desconto especial de lançamento.

Quando a cor da nossa roupa-maquiagem-acessório combina com a gente, tudo dá certo: a aparência é de saúde, as olheiras diminuem, o olho brilha, as pessoas elogiam. E pra saber que cores são essas, não há mistério: tem que se estudar, praticar, tentar e errar. Não adianta comprar o batom da moda, que está bombando na atriz da TV. Tem que ver qual é o batom que fica bem em você.

Composição looks coloridos

A cor é o elemento mais importante do nosso visual.

Em Consultoria de Estilo, isso se chama Análise da Coloração Pessoal. Uma das primeiras teorias para realizar esta análise é o sistema sazonal. Segundo ele, as pessoas podem ser classificadas, de acordo com a sua coloração pessoal, em quatro estações – primavera, verão, outono e inverno.

Colagem Quatro Estações

As quatro estações e suas cores.

Essa teoria evoluiu para um outro sistema, o sazonal expandido, também chamado de sistema dos doze tons. As quatro estações passaram a ser classificadas também pelo que se chama intensidade e valor das cores, resultando em 12 combinações (Inverno Vivo ou Escuro, Outono Escuro ou Opaco, Verão Opaco ou Claro, Primavera Clara ou Viva). Complica um pouquinho mais, mas faz todo sentido. Afinal, não dá pra reduzir as tonalidades pessoais do mundo todo a apenas quatro, né?

(E você pode estar aí pensando: mas isso se aplica tanto a peles brancas quanto às negras? E a resposta é… SIM!!!)

Colagem Mulheres Negras 2

Mulheres negras lindas e com tonalidades de pele bastante diferentes entre si.

Toda essa explicação é apenas para dizer: não é aleatório. Quando o consultor de imagem entra em cena, ele testa a coloração pessoal do cliente com o uso de tecidos especiais, chamados drapes. Identifica primeiro a temperatura da pele – se quente, fria ou neutra, e depois as estações, suas intensidades e valores. Ao aproximar os diferentes drapes do rosto, podemos constatar o efeito daquela cor na pele da pessoa – se a valoriza ou desvaloriza – e a partir daí identificar a estação que a caracteriza. Nesse processo, é importante que a pessoa esteja de cabelos presos, sem maquiagem, sem acessórios, sob luz natural (ou uma luz especial que reproduz a luz natural) e em um fundo neutro.

Colagem drapes coloridos

Ao aproximar os diferentes drapes do rosto, podemos constatar o efeito daquela cor na pele da pessoa